segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Era o matraquear de saltos agudos contra o mármore da escadaria. Insolente, contra a ternura dos pianíssimos que se escapavam pela soleira do apartamento do primeiro direito posterior. E eu sei, porque me aproximei como um ladrão e senti os frémitos na ponta dos dedos. Ali, a música nascia, ali o útero.
Ou então a música soou dentro, pelas mãos fantasmas de um ser gentil que te seguraria a alma em momentos. Alma é uma palavra tão gasta, mas continua a sair-me dos dedos como um sonho cansado. São patranhas ridículas ou nasceste mesmo para desejar cinco quartos de lua e não menos?
Descalçou os sapatos de saltos agudos e despiu os pés em passos etéreos. E subiu-se à ponta dos dedos, justamente como fazia nas aulas de dança, e ficou mais perto, de uma altura de deuses.
Se viesses, eu venderia a lua a um estranho e um dia, chegaria muito perto e dir-te-ia ao ouvido que há uma menina que vive fugindo, porque roubou aos deuses um toque de midas. E quando morrer, ninguém saberá que caminhava no mundo com uma estrela de cinco pontas escondida nos cabelos. Mas tu haverias de saber.

8 comentários:

  1. Quando conseguimos aliar a subtileza dos pequenos gestos do nosso respirar com o domínio das palavras, isso é talento.
    Parabéns, Elisabete!

    ResponderEliminar
  2. Cada vez mais a sua escrita se consolida em mim como algo permanente. Não é virtual, mas tangível. Queria ter seu nome nas lombadas de minha estante. Até lá, fica o vão vazio a esperar suas páginas.

    ResponderEliminar
  3. Eu gostaria muito de ter um dia caminhado no mundo com uma estrela de cinco pontas escondida nos cabelos...e que alguém especial soubesse.

    Lindo!

    beijos.

    ResponderEliminar
  4. cinco quartos de lua e não menos

    é a altura exacta entre cada pé
    e um deus

    um beijo Elisabete e escreva sempre, assim!

    ResponderEliminar
  5. A minha estante também continua à espera...Muito bonito,o texto.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Cara Elisabete: há muito que segue o meu blogue, a casa que caminha, não sei se passa por ele, mas eu nunca tinha visitado o seu.
    Tem textos belíssimos e gostei particularmente deste. Se não se importa vou colocá-lo no meu blogue, com a devida vénia.
    Voltarei mais vezes

    António

    ResponderEliminar
  7. Diga-me por favor, que nome hei-de eu por na autoria do texto. Obrigado

    António

    ResponderEliminar